Métodos Anticoncepcionais

Entenda os principais métodos anticoncepcionais e seus contras.

Artigo publicado por Fernanda Guimarães nas categorias: Beleza, Saúde

Os métodos anticoncepcionais são, como o nome diz, formas de precaver uma concepção. Alguns métodos milenares já existiam, mas a grande revolução aconteceu com a chegada da pílula, que transformou s cultura  e a sociedade a partir do momento que deu à mulher maior liberdade e controle sobre o seu corpo, o que a ajudou a entrar de vez no mercado de trabalho e a realizar outros feitos.

Hoje em dia são tantos métodos anticoncepcionais disponíveis que pode até mesmo haver confusão na hora de escolher qual é o melhor para você, primeiro é preciso entender que existem duas classes de contraceptivos, os hormonais e os não-hormonais. Os métodos não hormonais funcionam como uma barreira física que impedem a interação entre espermatozoides e óvulos, uma vez que impedem um dos gametas de chegar ao útero. Os contraceptivos hormonais, tomados pelas mulheres, são feitos a base de estrógeno e progesterona na maior parte das vezes e regulam o organismo para que a presença constante desses hormônios impeça a maturação dos óvulos e, consequentemente, a ovulação.

camisinha

Pílula Anticoncepcional

É o método mais popular pela sua praticidade e por também trazer benefícios ao organismo, como redução do fluxo menstrual e de cólicas, também reduzindo as chances de endometriose. A ideia é “enganar o organismo” com a injeção diária de progesterona e estrógeno nele, para que a maturação de óvulos e posterior ovulação seja interrompida.

O erro na ingestão da pílula pode levar a uma gravidez, no entanto, deixando o método flexível mas sua segurança só é real se todos os cuidados forem tomados. Além disso, algumas mulheres podem ter reações como ganho de peso, por isso é importante consultar um médico antes de escolher que pílula começar a tomar.

Injeções

As injeções funcionam da mesma forma que as pílulas, mas são indicadas principalmente para mulheres que tenham problemas relacionados a ovulação ou a menstruação, como a aplicação pode ser mensal ou trimestral a injeção interrompe o ciclo menstrual a cada aplicação, a mulher não ovula e também não menstrua, se tomar as injeções nas datas corretas, porque não tem queda hormonal – é a queda de progesterona a principal responsável pela menstruação.

Adesivo

Mais uma variação da aplicação de hormônios, os adesivos são colados diretamente na pele e liberam hormônio na corrente sanguínea. A carga hormonal é mais baixa, pois é  absorvida diretamente, isso reduz os efeitos colaterais e como a troca de adesivo é feita apenas a cada uma semana – sendo feita três vezes antes da semana de pausa para menstruação, as chances de esquecimento são reduzidas também.

Implante

Seguem a mesma lógica de ativação dos métodos anteriores, no entanto é um implante colocado sob a pele. Também reduz a menstruação a níveis mínimos.

Camisinhas

As camisinhas masculinas são o método contraceptivo não hormonal mais utilizado, é de fácil acesso e barato, além de ser disponível na rede pública de saúde para quem precisar. Mas além das camisinhas masculinas também existem as femininas, o seu principal contra é a dificuldade para encontrar à venda, também pode ser difícil de colocar nas primeiras vezes.

Em ambos os casos, as camisinhas são atualmente a melhor proteção sexual, pois além de proteger de uma gravidez indesejada – os riscos de uma camisinha falhas são abaixo de 1%, também são os únicos métodos que protegem de doenças sexualmente transmissíveis.

D.I.U

Apesar de estar em desuso, o Dispositivo Intra-Uterino é um método tão seguro quando a pílula para prevenir a gravidez. O mecanismo funciona com uma base de metal e dois elasticos colocados no colo do útero, destruindo os espermatozoides antes de chegarem ao óvulo. Podem permanecer no útero por até 5 anos.

contraceptive

Diafragma

Diante das inovações tecnologicas, o diafragma é o dispositivo menos recomendado para prevenir uma gravidez. Sua eficácia é de 94% e a sua colocação é fácil e pode ser feita pela mulher, mas em contrapartida ele aumenta o risco de infecções urinárias, é preciso ser medido por um médico e não protege contra DSTs.

Fernanda Guimarães

Autora

Fernanda Guimarães é apaixonada pela área de relacionamento, sexualidade & amor. Tem ajudado milhares de mulheres a encontrarem o homem ideal através de suas dicas de atração, sedução e conquista!



Comente!




*Campos obrigatórios